Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Wednesday, August 11, 2004

Monster Charlize



Ontem fui assistir Monster. O filme é baseado numa história real de Aileen Wuornos, uma serial killer americana que foi executada com uma injeção letal em 9 de Outubro de 2002. É um filme forte, corajoso e pode chocar corações mais fracos. Sabe-se que foram tomadas várias liberdades em relação à verdadeira história de Aileen; por exemplo, ela não foi abusada sexualmente a partir dos 8 anos, nem conheceu seu pai verdadeiro, um molestador de crianças que se enforcou na prisão em 1969. Porém estas liberdades não desmerecem o filme, que se revela uma obra corajosa sobre uma tentativa inglória de mudança de identidade.

O filme é de Charlize Theron, uma atriz belíssima que se apresenta com o físico totalmente transformado para assumir o personagem. Porém, se esta transformação ficasse apenas no aspecto de maquiagem e ganho de peso (ela teria engordado 12 quilos para o filme), seria pouco. Mas não, Charlize assume a alma de Aileen, com gestos, maneirismos, olhares, movimentação, voz. É impressionante. Ela se doa integralmente para nos mostrar a trajetória de Aileen.

Quando vejo atuações como estas penso nos poucos atores e atrizes que têm destemor para desnudar sua alma em papéis difíceis, comprometedores. Atores com bravura para ousar, para arriscar. Julia Roberts jamais terá esta coragem. Ainda bem que Charlize teve. Salve Charlize.



7 comments:

Anonymous said...

E fique sabendo também que a Carlize Theron ganhou o Oscar por essa atuação, provando que no mercado americano, as muito belas são obrigadas a se enfeiar para mostrarem seus talentos...

Bom filme, recomendo
Carlos Correa

Anonymous said...

Realmente a interpretação dela vale o filme, se bem q apesar do papel menor a Christina Ricci também está convincente. Mas o filme apesar da boa história a ser explorado, é mediano na minha opinião.
O melhor filme q vi este ano foi Adeus Lenin. Nada gay, mas extremamente sensível e tocante. Já o Farenheit 9/11 vale como propaganda anti-Bush, pois e bem inferiro ao documentário anterior do Michael Moore.

Abraços a todos

Pomba ; )

Anonymous said...

Muito legal o seu Blog, Iuri... Tb gostei muito de Brilho Eterno, mas não assisti a Monster ainda...

Abs,

José.

Mariana said...

atrz de verdade é atriz de verdade. não te esquece q a nicole kidman tmb mostrou seu poder em "as horas". e outra a Julia Roberts é uma sonsa, chata vai ser pra sempre "uma linda mulher"... uó...
beijos!!!!!!!!!!

Guga said...

Iuri!

Realmente, esse dias tava falando com a Niara, parece que finalmente estamos tendo atrizes com o gabarito de antigamente, pois aquelas da geração Julia Roberts, de estilo namoradinha da américa só ficaram nisso, agora temos Charlize, Nicole, Kate Winslet, Hale Berry... atrizes que se expôem...

E particularmente a Charlize e a Nicole têm aquela classe dos anos 30,40,50...

LG

umamulher said...

Amado, embora já saibas o que pensei do filme (pois tu + urso + lisinha e eu, vimos juntos), realmente é de para..... pensar....e chegar a conclusão de que todos os "bandidos" os "malvados" os "assassinos", não são tão maus assim, se olharmos sob o mesmo referencial deles, apenas viram vítimas das sua próprias vidas, das suas próprias histórias e só refletem aquilo que vivenciaram, acreditando terem dado o que lhes há de melhor. A Lee acreditava que matando estaria dando o de melhor para a bisca da Selby. Muito triste. Bjo.Te amo

Anonymous said...

Olá!!! Recebi seu e-mail e vim ver a transformação! Imprecionante!!! Seu blog continua ótimo! Parabéns!! E quanto ao filme... é o proximo da minha lista! Beijos, Dani