Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Saturday, August 21, 2004

LEGO FRANKENSTEIN - Monte o seu



Há muitos anos -eu sei que é deprimente começar um texto pessoal com este tipo de frase que revela... uma certa experiência de vida, mas fazer o que?-, então : Há muitos anos quando eu era discípulo do Rajneesh -um mestre indiano que depois mudou o nome para Osho e enlouqueceu- eu li um livro do guru que contava uma história que me marcou indelevelmente (ou seja, pra sempre).

A história falava sobre um jovem belo e rico que queria casar. Sabedoras da intenção do moço, logo inúmeras donzelas o procuraram e apresentaram seus dotes e suas graças, porém nenhuma o agradou. O problema é que ele tinha definido uma série de condições que a pretendente deveria preencher para ser eleita sua esposa. Ele estava em busca da mulher perfeita. As moças se esforçavam, mas como as exigências eram muito altas, acabavam sendo dispensadas. Assim, os anos foram se passando e ele foi ficando cada vez mais preocupado pois, apesar da continuidade de fluxo de formosas, a infalível não aparecia. Inconformado, decidiu então sair em viagem para encontrar a alma metade padrão ISO. Tinha certeza de que ela deveria existir em algum lugar e, por isto, partiu na sua busca. Viajou pelas cidades próximas, depois pelas mais distantes, pelo seu país, países estrangeiros e outros continentes. O tempo passou, ele foi envelhecendo e nada de encontrar a deusa única. Porém, um dia, em um país muito, muito distante, à beira de um lago, ele encontrou-a. Era ela! A desejada! A princesa sonhada! A rainha! Ele não acreditou! Depois de quase uma vida de busca finalmente ela estava alí! Em prantos e radiante de felicidade, jogo-se aos pés da eleita e ofereceu seu coração, sua vida, sua alma, seu tudo. Falou-lhe da sua saga, da sua odisséia, da sua bravura e tenacidade para procurá-la, o tesouro ansiado. Ela escutou pacientemente tudo o que ele tinha a dizer e respondeu que o entendia perfeitamente bem pois também procurava alguém para casar. Só que tinha um problema, ela estava em busca de um homem perfeito e ele não se enquadrava nos requisitos dela...

Esta história pirou minha cabeça na época. Como todo mundo, eu também procurava minha alma gêmea idealizada, a pessoa que deveria ser classificada com conceitos de Muito Bom a Ótimo em todos os itens do formulário "Escala de Qualidade para o Amor Perfeito - by Iuri". Eu procurava a pessoa que iria preencher todos os requisitos com o máximo de primor e precisão. E qual seria o prêmio de quem conseguisse colar grau? Eu é claro!! Alguém quer um prêmio melhor? ... que presunção!.. que ilusão!.. dá até pena.... Então, depois de ler esta história, caí em mim -que expressão ridícula- e percebi a estupidez de esperar pela excelência encarnada.

Hoje acredito que ao montarmos o lego do perfil sócio-econômico-político-cultural-filosófico-físico (e sexual é claro), da cara metade perfeita (e ficarmos esperando que o Frankenstein tome vida) estamos encarcerando possibilidades de vivências para nós mesmos. Estamos restringindo novas descobertas, impossibilitando encontros, aventuras, acasos. Se isto acontecer, corremos o risco de permitir que o ser perfeito e ilusório, gerado pela nossa vaidade, acabe por nos impedir de experimentar, de tentar e, quem sabe, até mesmo de achar um projeto de príncipe (ou princesa) encantado(a) que, se não for o the best, pode chegar bem perto (...algo tipo o Shrek ou a Fiona...)






4 comments:

Mariana said...

oi titio amado...
eu não sei como, eu achei um principe de olhos verdes, sem ao menos estar em busca dele.... se molda no que eu sempre quis, mas nunca procurei, pq afinal de contas, pensei q não existisse...
adorei o post!
beijos...
Mari :)

Anonymous said...

Eu gostaria de dizer que muitas pessoas gastam energia e tempo com buscas sem qualquer sentido.

A vida é feita de encontros e ninguém é de
ninguém, ou seja, os relacionamentos humanos perduram
pelo tempo de aprendizado que ambos se proporcionaram,
quer em relacionamentos sexuais e/ou afetivos
(casamento) quer nos relacionamentos profissionais,
tal como na esfera escolar: tivemos colegas no 1.
grau, 2. grau, faculdade, que depois nunca mais os
encontraremos ou se isto acontecer será remoto, porque
o tempo de ficarmos juntos se esgotou e não apenas
pela conclusão do curso ou etapa de vida, mas porque
cada um de nós tem missão neste mundo, tal como os
dons, que devem ser repartidos durante toda vida, com
diversas pessoas na caminhada.
Paz e Bem.

Anderson.

umamulher said...

Meu Rei !
Cá entre nós...é claro que o ser perfeito as vezes achamos nem que seja por 24h, 24 meses o 24 anos (o que já é mais difícil), mas sempre que estamos apaixonados o nosso Frank surge do mais escuro laboratório e se transforma num Tom Cruise, Sean Been(Boro),Bred Pitt, Urso (Lu)..e outros mais que não preciso dizer...he! he! he!
Bjo
Te amando sempre
Themis

Pikena said...

Engraçado, eu era assim *risos*. E até cheguei a encontrar esse homem perfeito... Mas não deu certo! Sabe o que aconteceu? Quando estava lá, sofrendo, achando que nunca mais ia encontrar ninguém, conheci um cara que não era NADA daquilo que eu procurava, nem fisica nem psicologicamente...

...e me apaixonei DESESPERADAMENTE por ele. Ainda estamos juntos, enfrentando um monte de desafios que a vida nos trouxe, e só com muito amor poderemos superá-los.

Ainda bem que esse amor existe. Ainda bem que eu me enganei.