Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Sunday, June 15, 2008

Filme - Lady Chatterley


Eu sempre tive dificuldade de entender o que é erotismo. Sensualidade eu sei, pornografia também, mas erotismo me é nebuloso, algo difícil de identificar. Tipo, seria aquilo que excita sem ser explícito? .. mas para mim isto poderia ser sensual. Ou seria algo mais picante que o sensual, mas que não chega ao explícito? .. pode ser, de repente é um entendimento. De qualquer forma para mim é, repito, difícil identificar. “Era”, quero dizer, pois ao ver ontem “Lady Chatterlay” (uma adaptação de uma das versões do “Lady Chatterley's Lover,” de D.H. Lawrence, obra que ficou proibida na Inglaterra por 32 anos) dirigida pela Pascale Ferran, acho que finalmente pude entender o que é o erotismo. Em aproximadamente 168 minutos a conhecida história da aristocrata entediada e frustrada sexualmente Constance ( magistralmente interpretada pela Marina Hands, de As Invasões Bárbaras), que descobre o prazer nos braços do bruto empregado Parkin (Jean-Louis Coullo'ch, também excelente e transpirando sensualidade “da terra”), é apresentada de uma forma que eu só posso dizer como “erótica”. Sim pois sem chegar ao explícito o sexo é apresentado de uma forma realista e muito excitante. E olha que mesmo sem ser hetero eu fiquei, sem querer ser baixo, “entusiasmado” com as cenas de sexo do casal. O que contribui para isto é a forma como o envolvimento sexual é mostrado. Naquele ritmo “devagar, quase parando” dos filmes europeus cabeça, a construção do envolvimento dos protagonistas é revelada aos poucos tanto para eles quanto para nós. Nas primeiras trepadas eles ficam praticamente vestidos, porém, à medida em que a intimidade deles cresce, o envolvimento cresce, os sentimentos e os corpos vão se desnudando entre eles e para nós. É uma viagem lenta para a descoberta de ambos, tanto num sentido individual quanto no encontro com o outro. Para isto contribui muito a mão da diretora que dá, digamos, um toque feminino no filme – o que só engrandece o conjunto. Claro que a história também tem um lado de conflito social, de classes, que é bem mostrado no filme. Algumas cenas e diálogos mostram isto de maneira magnífica. É um filme lento, mas que não cansa. O final pode frustrar algumas pessoas; a mim não. Vale a pena

2 comments:

Dayse said...

Pegaste em locadora, querido? (pergunto porque tá tudo em chinês, sei lá, na capa).

SAUDADE

P.S. - Tenho uma recomendação de livro pra ti. Posso emprestar. Basta passares por aqui :-)

(manda beijo pro Lu e pros gatos)

Anonymous said...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!