Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Monday, May 02, 2011

Filme - O primeiro que disse


É inacreditável que alguma bicha goste desta porcaria chamada “O primeiro que disse”.

Li em diversos sites gays que o filme é “hilário”,” humano”,” bonito” entre outras atrocidades.

O filme não é nada disso e se resume a uma única palavra : homofóbico.

Disfarçada de um pseudo liberalismo a obra ataca, torpedeia, agride, estupra a comunidade gay, com comentários, diálogos e piadas absolutamente infames, podres, lamentáveis.

Senão vejamos : o roteiro conta a história de dois irmãos,Tommaso (Riccardo Scamarcio) e Antonio Cantone (Alessandro Preziosi), filhos de uma tradicional e rica família de Lucce, pequena cidade do interior da Itália, onde o primeiro – que mora em Roma, mas está visitando a familia – confessa a Antonio que irá revelar à familia que é gay no jantar que irá ocorrer.

O que acontece então é que Antonio, antes da confissão de Tommase, aproveita o tal jantar e confessa ele ser gay, o que ocasiona sua expulsão de casa pelo pai Vincenzo (Ennio Fantastichini).

Nesta situação, e porque o pai passa mal – quase morre - , a bicha numero 1 (Tommase) faz a linha hetero e acaba assumindo a empresa da família.

Daí pra diante, a barbaridade oscila (ou tenta) entre drama, romance e comédia, sem atingir nenhuma das propostas.

O desfile de personagens é patético : o pai é um personagem nojento, escroto. Expulsa o filho gay de casa, sem direito a nada, em nome da tradição familiar. – a sequencia dele no café, quando imagina que todos estão rindo da sua situação, dá vontade de jogar o que tiver a mão na tela – A mãe é uma boboca de marca maior. A avó – a matriarca humana – é ridícula. A bicha-hetero é covarde total. As “bichas amigas” são estereotipadas até o último pentelho.

Enfim, nada sobra.

O final é vergonhoso, podre, na sua tentativa de “recuperar os laços emocionais", através das belas cenas de “amor familiar”. É ofensivo , é agressivo, é repugnante.

As bichas que porventura gostam deste filme, são aquelas que pensam sobre si mesmas como “inferiores” e agradecem de joelhos qualquer migalha de pseudo-amor que recebem,

Cotação : Uó total

3 comments:

barroso said...

Não ví o filmeco, e nem o assustirei.
Considero essas investidas comerciais como "estratégia hetero para se aproveitar do modismo fashion gay", somente isso.
Não o verei.Lamentável que realizem bobagens do tipo, e mais ainda, que bibas acéfalas ainda considerem o filme como "bom", e indiquem como um grande filme ou grande avanço para o panorama mundial...tolice, mera tolice.

Luciano Souza said...

Concordo, Barroso. Muitos espertos pegam carona na onda gay e, por acharem que sabem alguma coisa, cometem atrocidades, que ainda são elogiadas pelas acéfalas só porque têm o "rótulo da comunidade".

Iuri said...

De acordo. Este tipo de filme é uma afronta aos gays. Continuo a dizer : é inacreditável que as bibas possam gostar de uma bobagem tão preconceituosa quanto esta.