Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Monday, April 16, 2018

Filme - O Jogador Número Um


“Kira é o Rosebud de Halliday !”.

Quando ouvi esta frase no filme “Jogador Numero 1”, do Steven Spielberg, vi que a coisa não tinha mais salvação.

Vamos lá, por partes.

Kira é um dos segredos inseridos pelo programador Halliday (já falecido antes do filme começar) no game OASIS (um jogo que praticamente substituiu tudo da vida real), e que deve ser desvendado.

Mas quem inspirou a criação de Kira?

Kira representa um caso de amor mal resolvido de Halliday na vida real.

E qual a dica para encontrá-la?

Algo do tipo “um criador que rejeitou sua criatura”.

E o que significa isto?

Os adolescentes antenados - a galera de heróis do filme - rapidamente descobrem, analisando um detalhe da vida de Halliday, que o criador é Stephen King e que a “criatura” é o filme “O Iluminado” dirigido por Stanley Kubrick.

Sim, Stephen não gostou do que Kubrick fez com a adaptação do seu livro e rejeitou o filme.

Então o que os adolescentes fazem?

“Entram”, através de seus avatares, no filme “O Iluminado” para descobrir onde Kira está escondida.

Como assim?

Sim, eles se infiltram no filme do Kubrick para encontrar e solucionar Kira.

Então, a partir daí, vemos a reprodução de algumas cenas mais icônicas do Iluminado sob o formato de game, porém agora não assustando os personagens do filme e sim os avatares dos adolescentes nerds.

Cenas tipo da mulher podre da banheira, do corredor de sangue, do retrato do final filme, das machadadas, do labirinto na neve, das referências ao quarto 237, etc, tudo reduzido a “perigos” a serem enfrentados por um ninja, um ogro e seus companheiros.

É claro que quem não viu O Iluminado não entende merda nenhuma do que está acontecendo e só vê um grupo de avatares correndo, gritando e lutando em cenários sem sentido.

Que bela bosta.

Mas, voltando ao início (e repetindo), o personagem diz :

“Kira é o Rosebud de Halliday !”.

Como?

Que merda é “ Rosebud”?

Para quem não sabe, "Rosebud" é o nome do trenó icônico do filme Cidadão Kane (do Orson Welles) que representaria talvez o amor verdadeiro.

Então vamos ao arco :

Kira (um mistério do OASIS) é o Rosebud (Cidadão Kane – Orson Welles) do Halliday que está escondido no filme O iluminado (dirigido por Stanley Kubrick),baseado no livro do Stephen King (o tal criador que rejeitou a criatura).

Quando tudo isto “se fecha” na tua cabeça tu pensa : será que tem alguém dentro deste cinema que tá entendendo que porra tá acontecendo?

Será que este bando de adolescentes (e adultos) sabem o que é Rosebud?

Será que viram o filme do Welles?

Sabem quem é Kubrick?

Sabem da treta do Kubrick com o King?

Todos viram O Iluminado e sabem o que é o quarto 237?

Sabem que o Spielberg comprou por 55 mil dólares o Rosebud original do Citizen Kane num leilão da Sotheby´s, e que agora – pelo jeito - tá querendo ostentar e mostrar que é o dono do brinquedinho?

Mas a coisa não fica só nisto.

O Jogador Número Um é um desfile absolutamente entediante de referências à chamada “cultura cult-pop”.

A coisa chega a um ponto que tu fica tipo : ah, que bosta... mais uma referência cult pra alegrar quem conhece a porra e se achar mais esperto...

E é um bombardeio sem pausas.

Só para citar alguns “itens pop” inseridos no filme :

Em termos de personagens : Alien, Chucky, Freddie Kruger, Batman, Robocop, King Kong, Godzilla, Thundercats, Spawn, Tartarugas Ninja, Hello Kitty, Marvin o Marciano, Speed Racer, Akira, e muiiitoooos outros

Em termos de filmes e séries : Jasão e os Argonautas, Exterminador do Futuro, O Clube dos Cinco, Curtindo a Vida Adoidado (aliás, rola uma referência de destaque – uma homenagem? - ao John Hughes. Mas quem atualmente sabe quem é John Hughes?), A Mosca, Monty Python e o Cálice Sagrado, Caçadores da Arca Perdida, Jurassic Park, Jornada nas Estrelas, Star Wars, Gallactica, Excalibur, Tron e muito mais.

Em termos de música : Duran Duran, New Order, Joy Division, Bllly Idol, Rush, Bee Gees, Aha, Michael Jackson, Prince, Devo, etc.

Em termos de games : Minecraft, Street Fighter, Sonic, Tomb Raider, Dungeon and Dragons, Atari, Sword Quest, etc.

Em termo de livros : Duna, O Iluminado (os que notei, mas pode ter mais)

E aí tu pensa : pra que tudo isto? Qual a necessidade?

Spielberg perdeu a mão para filmes de ação e precisa criar este carnaval patético para impressionar?

Será? ...

----------------------------------------

Saí do “Jogador” me lembrando do “Encurralado”, o filme do Spielberg em início de carreira que mostrava apenas um caminhão perseguindo um carro. ...Só isto.

Sem efeitos, sem explosões, sem gritarias e que funcionou tri bem.

Uma verdadeira aula de suspense.

Também me lembrei do Caçadores, do Tubarão e do primeiro Jurassic, verdadeiras obras primas de ação e tensão.

... Que lástima.

E é triste constatar que, ao mesmo tempo que O Jogador Número Um (uma produção milionária) esteja em cartaz, também esteja o Um Lugar Silencioso, um filme simples e barato que funciona infinitamente melhor como entretenimento pipoca.

Enfim...

-------------------------------

Mas para não dizer que sou rabugento e que não gostei de nada no filme, gostei muito do “beijo lésbico que não foi”.

Achei tri esperto.

Explico :

Um humano real pode escolher qualquer tipo de avatar no OASIS, inclusive do sexo oposto.

Quando conhecemos os “avatares amigos”, vemos que faz parte da turma um ogro forte e grandão, tipo o fodão da galera (que também é mecânico, com oficina e tudo).

Numa determinada cena, este fortão é meio que seduzido por uma bela mulher virtual e, não acreditando na própria sorte, parte logo para um beijo super caliente.

Só que a coisa dá merda e o beijo não rola.

Depois, quando é revelado quem está por trás do “avatar Ogro”, vemos que é uma garota tipo grandona, tipo forte, tipo caminhoneira ...............

Hehehehehhe ... amei .... achei hilário...

Foi a única coisa que me agradou no circo todo, pois, de resto, o Jogador Número Um é uma bosta mastodôntica apocalíptica.

Lixo total..

1 comment:

Priscila Rodrigues said...

Sabe o que foi pior que ver o filme? Pesquisar sobre ele, cair aqui e ler tudo isso imaginando um gaúcho nervosinho falando, bah tche, que merida de filmê. Tri bosta. Kkkkk ainda bem que sou mineira e amei o filme. Hehe obrigada por tirar minha dúvida pelo menos.