Hino do Blog - Clique para ouvir

Hino do Blog : " ...e todas as vozes da minha cabeça, agora ... juntas. Não pára não - até o chão - elas estão descontroladas..."
Clique para ouvir

Thursday, September 20, 2007

Livro - Barcarola / A morte sem charmes nem disfarces

Barcarola

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

“Chegara a sua vez e o homem aniquilado aprendeu muito cedo a duras e tristes penas e com freqüência envenenado pelo inconformismo e pela revolta que a enfermidade letal seguiria cegamente o seu fatídico curso como se estivesse e de fato se encontrava submissa a um rígido roteiro imune a qualquer forma de improviso ou alterações até cumprir o minguado prazo de seis meses porque esta era o tempo exíguo e mesquinho a margear-lhe a vida que agora se precipitava em desabalada carreira e em vertiginoso parafuso na direção do fim.

Chegara a sua vez”

Assim, direto sem vírgulas e com pouca pontuação é o livro “Barcarola – a morte sem charmes nem disfarces” do Pastor Jonas Rezende.

Em Barcarola acompanhamos os seis últimos meses de vida do protagonista. No início ele recebe a fatídica notícia do médico, recusa-se a morrer e parte em busca de um milagre com rezas, ritos, promessas de cura etc. Depois com a doença já avançando, ele se interna num hospital para cercar-se dos melhores cuidados da medicina que lhe prometem uma morte digna e sem (muita) dor.

Seu corpo então começa a definhar, a encolher-se, a corroer-se. Ele fica dependente para tudo, desde comer, tomar banho, até de alguém que limpe sua merda. Porém sua mente cada vez mais alerta, entra num turbilhão de ódio, revolta, questionamentos, lembranças, arrependimentos, reflexões, pedidos de socorro, de colo, de entendimentos, de comunicação (sem muito sucesso).

É claro, até mesmo porque o tema já espanta, o livro não é de leitura fácil. Com alguns lances geniais e outros ridículos de tão piegas a leitura atrai e cansa muito em determinados trechos. Eu, que não sou muito poético, me incomodei com o tom lírico de boa parte do livro. Depois acabei relaxando e busquei entender tal tom a partir da cabeça do moribundo.

Porem não aceitei bem as divagações sociais, políticas, ecológicas, etc, nas quais ele entra e que parecem não ter nada a ver com o objetivo da história.

Mas entre trancos e barrancos a leitura avança sempre com cuidado redobrado pois um texto sem pontuação exige atenção.

Uma passagem genial é do seu último orgasmo – realmente um achado de criatividade numa cena que mistura atração e repulsa para quem lê. Bati palmas. Mas aqui Jonas, talvez achando que os leitores ficariam muito chocados, extende-se numa justificativa desnecessária como que necessitando afirmar a nobreza e a pureza do acontecido.

Este é um dos pecados do livro, a necessidade meio obsessiva de explicar e comentar algumas idéias como se houvesse uma motivação imperiosa de deixar tudo muito claro e evitar algum julgamento ou entendimento errado.

Porém, como a obra lida com o mistério da morte, o leitor avança até mesmo para ver como o autor vai tratar o momento culminante.

E como isto acontece?

Bem, eu diria que Jonas, por ser um pastor, tende a dar uma visão mais “almática” (sic) da morte. Não uma coisa cristã tradicional com anjos cantando (se bem que rola um som) e escadarias para o céu, mas uma espécie de transfiguração, de desdobramento de entendimento, de aprendizado, de aceitação.

Um retorno ao útero, ao lar primordial (o da origem, o do coração) – ou algum outro local que combine segurança, amor e felicidade.

É uma solução fácil e adequada às expectativas do leitor médio? Tipo, querendo dar um alívio para quem acompanhou toda a tragédia do protagonista até ali e precisa voltar a respirar?

Ou seria melhor ele terminar com a extinção da consciência, do pensamento? ... com o aniquilamento da vida pura e simplesmente, numa visão existencialista, direta e crua ?

De qualquer forma achei no livro uma expressão que define bem meu sentimento frente ao inevitável

“... esta misteriosa e dolorida saudade que começo a sentir de mim mesmo...”

3 comments:

Dayse said...

Uau.
Puxa, fazia tempo que eu não te visitava aqui.
Lembrei-me por que quis te conhecer :-)
Adoro tuas análises -- ao vivo e em letras.
Até fiquei com vontade de ler o livro -- se bem que penso que poderi a jogá-lo longe, também (sou menos paciente que tu, ainda...).
Beijão e SAUDADE (já, sempre).

Dud`S said...

Oi serei breve acho que isso resume teu blog Inteligencia, educativo e muito atrante, parabens pela tua escrita e bom visitar blog de pessoa igual a vc escrita facil e gostosa de se ler parabensssssssssssssssssssssssssss!!!! abç do amigo duds

diogo said...

curti mto blog. parabéns.